A conversão pelo ódio – por Bruno Cosentino

, , , , , , , , , , , / 0 Comentários

Caetano Veloso conta que quando mostrou sua canção “Odeio”, que seria incluída no álbum Cê, ainda ao violão, para o amigo e compositor Jorge Mautner, este teria chorado e lhe dito que aquela era a canção de amor mais bonita que já tinha ouvido. O refrão, que repete “odeio você, odeio você, odeio você, odeio”, quando cantado, na região mais …

Leia Mais

“O amor tem cheiro de morte” – por Bruno Cosentino

, , , , , , , , , , , , , / 0 Comentários

O sexo Uma única vez Clarice Lispector escreveu deliberadamente sobre sexo. Foi no livro A via crúcis do corpo. Ainda assim, observa seu biógrafo Benjamin Moser, “o tema que une os contos coletados não é, na verdade, o sexo. É a maternidade”. De fato, a partir desse comentário, é possível pensar que a escritora desfaz a linha de fronteira que separa …

Leia Mais

Amar o amor – por Bruno Cosentino

, , , , , , , , , , / 2 Comentários

Antes de publicar seu primeiro livro, ainda estudante de Direito, Clarice Lispector havia trabalhado na imprensa como repórter e redatora da Agência Nacional e em periódicos como a revista Vamos ler! e o jornal A Noite. No final da década de 1960, já então consagrada, aceitou o convite para assumir uma página de entrevistas na célebre Manchete. Durante quase um …

Leia Mais